Intimidade com o Espírito Santo

Intimidade com o Espírito Santo
by

O ambiente da última ceia já não estava muito legal, e então Jesus disparou: “Queridos, estou voltando para o Pai…”. Enquanto Jesus estava com os discípulos aqueles homens se sentiam vivendo uma vida íntima e próxima não só com Jesus mas com o Deus Pai que Jesus veio revelar. Jesus consegue prever de forma muito clara o sentimento que devia pairar sobre o coração dos discípulos: orfandade e abandono. Após todo aquele tempo juntos, os discípulos tinham aprendido a confiar na presença, no amor presente de Deus por meio da presença física de Jesus, mas agora o Mestre declara que o tempo de sua presença física estava terminando. A ausência de Jesus poderia ser compreendida pelos discípulos como ausência do próprio Pai e o sentimento de orfandade, de abandono, de esquecimento poderia encher seus corações.

No capítulo 14 do Evangelho de João, Jesus deixa claro que está voltando para o Pai (14.1-3) mas logo em seguida garante aos discípulos que não os deixará órfãos (v.18), pois pedirá ao Pai para que envie “outro Conselheiro” (v.16). A palavra que Jesus utiliza (paraklétos) que significa literalmente ‘uma pessoa chamada para cuidar de outra’. Era uma palavras utilizada para se referir a um conselheiro, um advogado, um mediador ou um intercessor.  Peterson traduz como “Amigo”  e Dallas Willard usa a ideia de “Fortalecedor” , ambos nos ajudando a compreender a intimidade e o papel do Espírito Santo em nossa caminhada. Jesus não estaria mais presente fisicamente discipulando seus aprendizes mas enviaria o Espírito Santo que continuaria o discipulado exatamente como Jesus o fez, pois é nosso Consolador, Fortalecedor, Amigo, exatamente como Jesus. Isso era tão claro para a igreja primitiva que Lucas não hesitou em chamar o Espírito Santo de “Espírito de Jesus” (At 16.7). Jesus deixou claro que o Espírito Santo assumiria todas as suas funções como discipulador, nos ensinaria todas as coisas, nos lembraria das palavras de Jesus, nos daria a paz (Jo 14.25-27). O Espírito Santo é o nosso cordão umbilical que nos une a Trindade Santa, que nos mergulha na comunhão íntima com o Pai e o Filho.

Pr. Jeferson C. Alvarenga

share

Recommended Posts