O Dízimo como Adoração, Gratidão e Disciplina

O Dízimo como Adoração, Gratidão e Disciplina
by

Sentimos um desconforto ao falar sobre fé e dinheiro, especialmente em tempos nos quais a mercantilização da fé atingiu patamares que atualmente oscilam entre o trágico e o ridículo. No entanto, não podemos deixar de ensinar sobre a mordomia de todos os recursos que o Senhor nos confia, incluindo a mordomia dos recursos financeiros.

O dízimo surge em um contexto de ação de graças (Gn 14) e vai se tornar um mandamento que abraça diversas expressões de confiança, gratidão e generosidade por meio da mordomia do dinheiro. Não é preciso dizer que a mordomia dos recursos financeiros vai muito além do dízimo, mas o dízimo é a disciplina básica através da qual devolvemos ao Senhor uma parte do sustento que ele nos dá. Ao mantermos em dia a obediência ao ato de dizimar, devemos manter em mente alguns aspectos. Primeiro, o dízimo não gera a fidelidade de Deus, mas é uma resposta a fidelidade de Deus. Ou seja, não devo dizimar esperando barganhar com Deus. Deus é fiel e o dízimo sou eu respondendo a fidelidade do Eterno. O dízimo é gratidão ao Eterno. Segundo, o dízimo é um ato generoso que possibilita o sustento da obra missionária, da igreja local e de diversas iniciativas e frentes de trabalho que abençoam a sociedade como um todo. O dízimo é gratidão ao Eterno que abençoa o seu povo e a proclamação do Evangelho. Em terceiro lugar, o dízimo é uma disciplina espiritual importante para o nosso próprio coração em tempos de tanto materialismo e idolatria do dinheiro. Nas primeiras vezes em que dizimamos pensamos no que poderíamos fazer com aquele dinheiro e as vezes o nosso coração fica até dividido. Nossas mãos se apegam muito ao dinheiro pois vivemos em um tempo no qual ter dinheiro é sinônimo de realização, poder e importância. Mas o dízimo quebra esse domínio do dinheiro sobre a nossa alma de forma gradual e progressiva. Cada vez que dizimamos, o Senhor aumenta a gratidão em nosso coração e reforça a bela verdade de que quem nos sustenta é a sua fidelidade e não o dinheiro, pois este é um meio e não um fim, é servo e não Senhor.

Pr. Jeferson

share

Recommended Posts